Destaque na BBC de Londres

Destaque na BBC de Londres

Sara Winter é destaque na imprensa mundial, como porta-voz da juventude conservadora no Brasil. Leia abaixo a entrevista concedida à BBC de Londres.

Maré crescente de jovens conservadores no Brasil busca por mudanças

Por Katy Watson

Correspondente da BBC na América do Sul

Sara Winter sempre teve posições fortes

Enquanto ativista, ela costumava fazer protestos chamativos contra a exploração sexual. Era, segundo ela, uma das feministas de maior destaque do Brasil.

Sara realmente impressiona. Ela tem cabelo loiro platinado, tatuagens e vestimenta elegante. Mas a coisa que mais se destaca é o detalhe em sua blusa. É o desenho de um crânio com uma faca e dois canhões.

“É a minha organização policial favorita, o Bope”, diz ela, referindo-se orgulhosamente ao logotipo do Batalhão de Operações Especiais.

“Eles entram nas favelas e enfrentam os bandidos. Eles colocam suas vidas em risco o tempo todo para salvar a população do Rio.”

Não é o tipo de comentário que você esperaria de um ativista de esquerda. Mas Sara teve uma reviravolta política nos últimos anos.

Segunda chance

Seis meses depois de ter feito um aborto, Sara engravidou novamente. Nesse meio tempo, ela retornou à Igreja Católica e seus pontos de vista sobre gravidez – assim como assuntos políticos – mudaram radicalmente.

“Eu estava tão feliz, porque senti que Deus estava me dando uma segunda chance de ser mãe”, ela relembra.

Eu decidi retornar à Igreja e acho que posso ajudar as mulheres bem mais com políticas conservadoras do que com o feminismo.

“Passei cinco anos como a feminista mais popular do Brasil e não fiz nada concreto pelas mulheres,” ela disse. “Eu gastei muito tempo militando a favor do aborto, legalização de drogas, comunismo e me sentia empoderada.”

A reviravolta de Sara é incomum, mas ela reflete até certo ponto o que está acontecendo no Brasil.

Por mais de 15 anos, Brasil foi governado pela esquerda. O ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva chegou ao poder em 2003 prometendo mudanças. Mas com um dos políticos mais amados do país condenado a 12 anos de prisão por corrupção, e sua sucessora Dilma Rousseff, as pessoas ficaram desiludidas. A esquerda não satisfez, então elas querem mudanças.

‘Trump brasileiro’

O ídolo político da Sara é o candidato da direita, Jair Bolsonaro.

Muitos se referem a Bolsonaro como o “Trump brasileiro”, homens muito diferentes em países também muito diferentes, mas suas similaridades face às circunstâncias atuais são espantosas.

Bolsonaro se diz diferente de todos os demais, um candidato ficha-limpa num mar de políticos corruptos que têm sido assunto no Brasil nos últimos anos.

Ele foi acusado de ser homofóbico e disse a uma deputada que ela não merecia ser estuprada. Ele tem atacado as minorias e defende leis mais frouxas com relação ao armamento da população.

Jair Bolsonaro não se contém.

Mas Sara não tem nada contra ele. “Eu sei que pode soar estranho, mas na verdade, se qualquer mulher visse de perto o trabalho do Bolsonaro, se apaixonaria por ele, como eu!”

Ela fala efusivamente sobre uma proposta de Lei dele: a castração química para estupradores.

“Nós temos tantas congressistas feministas, por que elas não sugeriram isso antes?” Ela questiona. “Bolsonaro fez.”

 

Link da matéria original completa: http://www.bbc.com/news/world-latin-america-43414315